A laranja é redondinha

A laranja é redondinha,
Cabe dentro de um limão.
Também tu, minha menina,
Cabes no meu coração.
(Baião; Marco de Canaveses.)
I-350

A laranja, quando nasce,
Logo nasce redondinha;
Também tu, minha menina,
Nasceste para ser minha.

(Baião; Cabaços, c. de Moimenta da
Beira; Marco de Canaveses; Mosteiro,
c. de Baião; Rebordainhos, c. de Bragança.)

A laranja de madura
caíu no tanque da neve;
Menina, se quer amores
Aqui está um que lhe serve.
(Mogadouro.)

Atirei c’uma azeitona

Atirei c’uma azeitona
à janela do moigado:
Acertei na morgadia,
Ai de mim, que estou culpado!
(Entre Douro e Minho.)

Atirei c’uma azeitona
à menina da janela:
A azeitona caiu dentio;
A menina, quem ma dera!
(Beira.)

Atirei c’uma azeitona
À menina da varanda:
A azeitona caíu dentro,
A menina, já cá anda!
(Entre Douro e Minho.)

Atirei co’o limão verde

Atirei co’o limão verde,
À tua porta foi rodando:
Ele te foi avisar
De que eu te estava esperando.
(Alentejo.)

Atirei co’o limão verde,
À tua porta parou:
Quando o limão te quer bem,
Que fará quem o deitou!
(Alentejo.)

Atirei co’o limão verde,
A tua porta parou;
Quando o iimão tem amores,
Que fará quem nel’ pegou
(Entre Douro e Minho.)

Botei o limão a andar
A tua porta passou,
Diga o mundo o que disser,
Quero-te bem, acabou.
(Bagal, c. de Bragança.)

Deitei o limão correndo,
Da praça ao peloirinho;
Quanto mais o limão corre
Mais te quero, amorzinho.
(Mondim da Beira, c. de Tarouca, I877•)
I-381