Ó coração , pede, pede

Ó coração, pede, pede
Terra para um pomar:
Já que os meus olhos se obrigam
A dar-te água p’ró regar.

(Vilar Seco) II-53